MURAL DE NOTÍCIAS

Menina que sofreu estupro coletivo na BA foi abusada antes por um dos suspeitos; entenda caso

A menina de 15 anos que foi vítima de um estupro coletivo na cidade de Santana, no oeste da Bahia, contou à polícia que havia sido abusada sexualmente por um dos suspeitos, que também é adolescente. A informação foi confirmada pelo delegado Leyvison Rodrigues, responsável pelo caso.

O caso de estupro coletivo aconteceu na noite de domingo (24), em uma festa para celebrar a véspera do Natal. A menina não sabia que o suspeito estaria no evento.

De acordo com o delegado Leyvison Rodrigues, a garota foi vítima do primeiro estupro dias antes do abuso coletivo. Essa foi a primeira ocasião em que ela encontrou o suspeito e o caso não foi denunciado.

“Ela contou que sofreu violência desse menor que está apreendido, na casa de uma amiga. Ele apalpou os seios dela e esfregou o órgão genital nela”, contou o delegado.

Dias depois, na véspera de Natal, a vítima estava com duas amigas: uma de 13 e outra de 17 anos. Os respectivos namorados das duas adolescentes convidaram todas para uma festa na casa de um amigo “maior de idade”. O nome do jovem não foi divulgado.

Todas as meninas foram para o local. Ao chegar no evento, a adolescente de 15 anos foi surpreendida com a presença do suspeito. Ela foi agredida por ele e outros dois adolescentes, que a abusaram sexualmente.

Uma das amigas tentou ajudá-la, mas foi xingada, agredida e expulsa da casa.

Após o estupro coletivo, a vítima e outras pessoas que estavam no evento foram expulsas pelo jovem de 18 anos, dono da casa.

“Ela foi até a casa da tia, que era próxima, e a tia ligou para a polícia. Os pais a buscaram no local e a levaram para o hospital. Ela está recebendo todo o apoio psicológico e jurídico”, disse o delegado.

O adolescente que já havia estuprado a vítima anteriormente foi apreendido após ser agredido por moradores da região e precisar de auxílio médico.

Ele sofrerá uma internação provisória de 45 dias e será levado para uma casa de apoio ao adolescente infrator em Salvador ou Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia.

Os outros dois adolescentes ainda não se apresentaram na delegacia.

Mais pessoas envolvidas

De acordo com o delegado Leyvison Rodrigues, a polícia investiga se mais pessoas podem estar envolvidas no crime – entre elas, os namorados das amigas da vítima.

Apesar de não ter participado do estupro, eles podem ter facilitado a ida da garota até o local onde ocorreria o crime. Caso a participação dos dois adolescentes seja comprovada, eles poderão responder por ato infracional análogo a:

👉 estupro de vulnerável, já que teriam levado a vítima até o local;

👉 associação criminosa, já que teriam agido em conjunto.

O dono do imóvel, que tem mais de 18 anos, também poderá responder por alguns crimes.

“Ele pode responder por associação criminosa, constrangimento de adolescente e estupro na modalidade omissiva, pois não prestou ajuda”, explicou o delegado.

Além disso, os pais dos adolescentes que participaram do estupro coletivo e ainda não se apresentaram na delegacia podem sofrer sanções, como:

👉 Perder o poder familiar do sob o adolescente;

👉 Pagar indenizações.

Segundo o delegado, a polícia aguarda uma decisão da Justiça para que a família seja obrigada a apresentar os adolescentes e os agentes possam fazer buscas na cidade.

(G1)

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *