Fama e TV

‘Conquista dela’, afirma Vladimir Brichta sobre contracenar com filha em novela

Vladimir Brichta, 45, é Neném, um dos protagonistas de “Quanto Mais Vida, Melhor!”, nova novela das sete, que estreia dia 22 de novembro na Globo. Na trama, o ator contracena pela primeira vez com a sua filha mais velha, Agnes Brichta, 24, que faz a sua estreia na TV.

“Não sei nem se é um sonho, porque nem ousei sonhar isso de fazer uma novela contracenando com ela. É uma alegria, um orgulho muito grande”, diz. “A personagem foi uma conquista dela, que se deu sem o meu intermédio, e isso me deixa muito feliz também”, completa ele.

Na história, Agnes faz Martina, que coincidentemente também é a primogênita de Neném. A jovem atriz, que faz teatro desde 2012 e protagonizou o curta “Náusea’ (2019), é fruto da união de Vladimir com a cantora Gena Karla Ribeiro, morta em 1999.

Na história, a primeira assinada por Mauro Wilson como autor titular, Neném é um jogador de futebol de muito sucesso que encerra a carreira precocemente após uma rotina de noitadas e bebedeiras.

Com dificuldades financeiras, ele tenta retomar a carreira nos gramados. Também se vê obrigado a voltar a morar com a mãe, Nedda (Elizabeth Savala), as filhas e suas duas ex-mulheres: a primeira, Jandira (Micheli Machado), namorada de infância, com quem a primogênita Martina; e a segunda, Betina (Carol Garcia), com quem teve Bianca (Sara Vidal).

Tudo muda na vida de Neném quando ele sofre um acidente aéreo ao lado de Paula Terrare (Giovanna Antonelli), Guilherme Monteiro (Mateus Solano) e Flávia (Valentina Herszage). Os quatro vão morrer na ocasião, mas receberão da Morte mais uma chance na Terra, sabendo que um deles irá de fato morrer dali a um ano, o que os faz ressignificar suas vidas.

Vladmir Brichta define o craque como “um grande pai e um cara passional”. “Ao longo da novela, dada a urgência com que ele precisa resolver seus problemas, sua vida vai ganhando proporções dramáticas”, antecipa.

O ator diz dividir com o personagem a “paixão pela paternidade”. “É o que dá sentido a vida da gente. Gosto muito, tenho prazer em exercer a paternidade”, destaca o ator, que também é pai de Vicente, fruto do seu casamento com a atriz Adriana Esteves.

Brichta afirma encarar “Quanto Mais Vida, Melhor!” como um retorno à “Vereda Tropical”, trama de 1984 da Globo, em que um dos protagonistas é Luca, um jogador de futebol vivido pelo ator Mário Gomes. O ator diz considerar a novela umas das melhores e que mais provocaram impacto na sua vida. Tanto que Luca foi o seu primeiro ídolo no futebol.

“Ele foi meu primeiro herói”, destaca o ator. O segundo ídolo no esporte, relata o artista, foi Bobô, principal jogador do seu time do coração, o Bahia, na conquista do campeonato brasileiro de 1988. “E, a partir daí, tive vários ídolos, vi grandes jogadores pela seleção brasileira como Zico, Ronaldo, Romário, Sócrates, Casagrande, Falcão..a lista é interminável”, enumera.

Curiosamente, Casagrande fez uma participação no capítulo final de “Vereda Tropical”, que foi gravada em um jogo real do Corinthians, clube em que Luca era contratado para jogar no fim da história.

Por causa da novela, Brichta afirma que chegou a sonhar em ser jogador. Essa intimidade com a bola tem o ajudado nas gravações, embora ele ressalte que parou de jogar há muito tempo. Para ajudar nos lances, o ator e todo o núcleo de futebol da trama conta com a consultoria de Jamir Gomes, ex-atleta com passagens pelo Grêmio e Botafogo.

“Eu fiz muitas aulas como ele para que a gente resgatasse a intimidade que eu já tive com a bola. Precisava resgatar essa confiança e ensaiar alguns movimentos e dribles”, afirma. Como destaca o ator, “Quanto Mais Vida, Melhor!” não é uma novela realista, portanto, ele não precisa fazer um jogo inteiro de verdade. Só são necessários alguns lances que tenham plasticidade.

“A linguagem adotada por toda a novela é, digamos assim, superlativa, fantástica”, explica. Brichta destaca ainda que deseja muito que o personagem dê certo e que Neném possa levar alegria para as pessoas nesse momento tão difícil em que o mundo e o Brasil enfrentam as consequências da pandemia.

Ele afirma que interpreta o jogador de uma forma positiva e alegre, mesmo diante das dificuldades que o herói vai enfrentar na trama. “Sempre com uma energia otimista. Queria que isso vibrasse”, salienta. Neném é descrito como um personagem “que joga futebol sorrindo”.

Mesmo a história de amor que vai viver ao longo da história, Brichta diz que tem procurado fazer de forma mais divertida, e menos “o romântico tradicional”. “Para ter mais humor também nas relações amorosas”, conclui.

DESTAQUE

CONTADOR DE ACESSOS

contador gratuito de visitas

FACEBOOK

PUBLICIDADE