Cultura

Morre Fernando Campana, designer que fez móveis a partir de peças inusitadas

Morreu nesta quarta-feira (16), em São Paulo, o designer Fernando Campana. A informação foi divulgada pela galeria Luciana Brito, que não informou a causa da morte do artista paulista, de 61 anos.

Metade da dupla formada com o irmão Humberto, ele se notabilizou nas últimas três décadas pelo desenho de móveis feitos sobretudo a partir de materiais inusitados, como poltronas estofadas com ursinhos de pelúcia. Mas suas obras também se espraiaram pelas áreas de projetos de interiores, arquitetura, paisagismo, cenografia, arte e moda.

Os Campana se firmaram como potência no design nacional na contracorrente da cartilha construtivista, corbusieriana que imperava nos trópicos desde sempre, apadrinhada por Oscar Niemeyer.

A ousadia no uso dos materiais, a incorporação sem medo da cultura pop, do kitsch, do alegórico carnavalesco, sempre esteve à frente dos projetos. Mas a base tinha uma ligação profunda com a ambivalência malandra do nosso design, um pé na limpeza escandinava, nas curvas reluzentes do suíço Max Bill, e outro na quadra fervida da escola de samba.

O design dos Campana, que fazia frente sem medo, e muito mais eficaz, aos excessos de um Philippe Starck, é exagerado como o barroquismo do Brasil exige e permite. É calcado na banalidade do ursinho de pelúcia chinês da 25 de Março e ao mesmo tempo na inventividade das rendeiras caiçaras, dos trabalhadores do couro nordestino.

DESTAQUE

CONTADOR DE ACESSOS

contador gratuito de visitas

FACEBOOK

PUBLICIDADE